segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Novas tecnologias de interação - O sexto sentido chegou !

Acesso a informação e relevância da informação... Se você acredita que essa é a era da informação, pense nessa possibilidade...

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Imagine


Finda 2009 e novos ciclos se configuram. Não porque o ano termina, já que cumprimos rotas independentes, mas porque assim a vida acontece. Ora, somos mutáveis, modificáveis, insatisfeitos, ambiciosos, ávidos. Completa-se o ciclo da terra em torno do astro maior, o que nao significa que concluímos o nosso, do lado de cá, debaixo desse céu anil, embora assim pareça...A gente acredita, que o que nao foi assim tao bom, na útima badalada do sino, ja era. Paz e felicidade aos homens de boa vontade porque um ano novo começa. Assim reza a sabedoria popular. Ano novo, vida nova e as esperanças se renovam e a gente faz planos, traça metas possíveis e improváveis e despendemos energia demais com coisas pouco importantes. E transformamos o planeta num lugar inóspito. Consumimos demais. Poluímos demais. Trabalhamos demais. Vivemos de menos. Desejamos saúde e continuamos envenenando o planeta. Desejamos paz e continuamos ouvindo que a guerra é necessária para se chegar à ela. Paradoxo. Desejamos a felicidade ao custo de nao ver, de negar. Não assistir ao noticiário para nao ver os corpos assassinados, as crianças com cancer.Desviar do pedinte para nao passar o resto do dia mal, culpando-se por ter uma vida digna. E nos lastimamos, entristecemos, adoecemos quando descobrimos que a espiritualidade absoluta é um caminho longo cravejado de barbárie e desamor.
Mas renovamos nossa esperança de que a humanidade não é uma ilusão à toa. De que viver é uma arte, um ofício. Ofício de, apesar de todas as dores do mundo, ser feliz. Portanto quando o relógio marcar 24 horas do dia 31 de dezembro, um novo ciclo começa, ainda que apenas nas nossas mentes e nos nossos corações. Feliz novo ciclo. Feliz Ano Novo e imaginem, por favor!

Um feliz novo ano especial à todos os amigos que aqui me lêem e deixam seus comentários sempre tão amáveis. Vocês são o rio da minha aldeia, o mais belo rio da minha aldeia (parafraseando Pessoa), o melhor presente que um ser humano pode ter.
Palavras que pretendem ser beijos...

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Você ja parou pra pensar?

Estão decidindo nosso futuro. Nao o meu, nem o seu. O do planeta. Estão decidindo se daqui há alguns anos sobreviveremos às profundas alterações climáticas e a um planeta cada vez mais inóspito.

Mas a preocupação maior não é essa. As pessoas estão preocupadas com quem vai pagar a conta. Financiamento.

Não somos tribos, com interesses comuns, somos ilhas: grandes porções de ambição, cercadas de gente por todos lados. A conferência de Copenhague é o retrato da humanidade nos mais altos píncaros da sua individualidade.

O buraco na camada de ozônio cresce. Mas é um buraco invisível aos olhos humanos. Ainda não enxergamos que se queremos salvar o planeta o buraco é mais embaixo. Ou acima, talvez. De nossos umbigos.

Sustentabilidade é uma palavra desgastada, que na prática, passa ao largo de seus princípios originários, estando cada vez mais vinculada a interesses mercadológícos. Segundo bem afirmou Leonardo Boff, sustentabilidade e desenvolvimento são incompatíveis no mercado. Não existe possibilidade de conciliar sustentabilidade e desenvolvimento dentro de uma economia de mercado. "O desenvolvimento sustentável é um engodo criado para a gente engolir o discurso ecológico. Mas o capitalismo se baseia na produção, no consumo e na acumulação de riquezas. E isso significa expansão, devastação da natureza e desigualdades sociais".

A recuperação do planeta ou daquilo que nos sobre dele implica na renúncia do capital em nome de uma vida saudável em um ambiente equilibrado para todos. Para além da concorrência, a cooperação. Não basta colorir de verde, é peciso pensar verde.


domingo, 13 de dezembro de 2009

Vamos falar de preconceito?

_Mãe, olha! Ela nao tem braços!
_Não filho, ela não tem braços, ela nasceu assim.
_Mas como ela come? Será que ela escreve? Como brinca de roda? E para fazer xixi?

Fui bombardeada por essas e outras perguntas enquanto assistíamos a apresentação de encerramento do ano letivo da escola do meu filho. Mas ele só queria saber, não era preconceito. Ela era uma criança diferente de todas as outras, afinal, nenhuma ali balançava, toda feliz, dois toquinhos de braços enquanto dançava. Era natural que ela despertasse olhares de estranhamento. Criança só quer entender. Não pedi que não olhasse, nem que achasse aquilo natural. Expliquei apenas que assim como o tio nascera com os dois dedos do pé grudados ela também tinha nascido sem os braços e que por serem dois membros que usamos muito, ela poderia necessitar de mais ajuda, de algumas adaptações, mas que aprenderia a fazer as coisas de alguma outra forma.

Deixei que olhasse, que matasse a curiosidade natural, que estranhasse. Talvez, se pedisse pra que parasse de olhar, inconscientemente ele entenderia: "nao devo, é feio, proibido..." Assim nascem os tabus. Assim nasceram os meus, que nao pretendo passar adiante.

Preconceito velado, continua sendo preconceito. E o primeiro passo para superá-lo é reconhecê-lo.

Herdamos a cor do cabelo, dos olhos, a altura...mas não herdamos preconceito. Ele não está entranhado no nosso DNA. Preconceito é aprendido. E nós aprendemos. Todos. Mais ou menos. Ninguem está imune à ele. Pode ser clichê mas é a mais pura verdade... Preconceito gera preconceito e em nome dele presenciamos historicamente, verdadeiras atrocidades.

Meu filho, estranhou por um bom tempo aquela situação. Dei à ele esse tempo, mas acho que da próxima vez que se encontrarem, talvez ele a convide para brincar de amarelinha ou segure no seu pedacinho de braço, como se segurasse sua mão.

Esse vídeo chamado Viorar Vel Til Loftarasa e produzido pela banda islandesa Sigur Rós, foi indicação do amigo José Roig, editor dos blogs Letra Viva, Educa Tube e Control Verso, é um termômetro pra mensurar nosso preconceito e um bom recurso para ser explorado em sala de aula.


domingo, 29 de novembro de 2009

HeadMouse - Tecnologia permite pessoas com tetraplegia acessarem o computador

Tela de configuração do programa HeadMouse
Uma tecnologia inovadora desenvolvida pela Universidade de Lleida, na Espanha, permite que pessoas tetraplégicas possam acessar o computador somente com movimentos faciais: olhos, cabeça, lábios...
Isso é possível graças à um sistema de captura de imagem através de uma câmera (webcam) sendo que qualquer modelo pode ser utilizado. A câmera faz o reconhecimento da imagem através de um sistema de calibração. Para que a imagem seja reconhecida, basta que o usuário faça alguns movimentos com a cabeça, olhos e sobrancelhas...Uma imagem que mostra o ritmo certo do piscar dos olhos ajuda na calibração.

Capturada a imagem, esta aparece no canto inferior direito da tela, limitada por um quadrado que centraliza o rosto da pessoa com um sinal em forma de cruz. A cor verde significa que já é possível navegar, através de movimentos leves da cabeça e dos olhos que direcionam o mouse.

A opção do clique pode ser feita através das configurações (clicando sobre a imagem do usuário) onde podem ser selecionadas as opções de piscar os olhos ou pelo movimento de abrir e fechar dos lábios. É possível definir ainda, a velocidade com que o mouse irá se mover, escolher uma opção para os cliques e arrastar os conteúdos selecionados pelo mouse.
Para que o reconhecimento da imagem seja facilitado é importante que a câmera esteja devidamente centralizada e que, ao fundo haja uma imagem estática (uma parede, por exemplo).

A digitação de textos também é possível de ser realizada, bastando que para isso o usuário localize nas opções de acessibilidade do seu sistema operacional o teclado virtual que, aparecendo na tela do computador, procede-se clicando sobre as letras normalmente.

Com um pouco de treino e controle motor, em pouco tempo o usuário estará interagindo com a máquina de forma autônoma e habilitado a efetuar comandos como executar programas, digitar e navegar pelas páginas.

O download do programa pode ser feito aqui

domingo, 8 de novembro de 2009

Sexismo, colonialismo e currículo

Uma garota vestida com trajes considerados impróprios. Um bando de rapazes tomados pela euforia e por instintos de selvageria. O caso da garota da Uniban repercutiu no país e fora dele. As opiniões reforçam a massiva desaprovação ao ato.

Uma pergunta que me faço como educadora é como a escola tem preparado as pessoas para lidar com questões como diferença, respeito, tolerância, cidadania, relações sociais, valores... E o currículo? Tem privilegiado o debate e o aprofundamento de tais questões? As culturas negadas estão presentes na sala de aula, ou seu silenciamento nasce e é reforçado dentro da própria escola?

O mundo feminino, a sexualidade lésbica e homossexual, as etnias minoritárias ou sem poder, o idoso, a pessoa com deficiência, o índio, o negro estão presentes no cotidiano escolar ou são visitados uma vez ao ano, em data pre-definida para serem "comemoradas"? Esses temas fazem parte do currículo efetivo da escola ou de um currículo turístico visitado esporadicamente?

E as mulheres? Que conceitos ou pré conceitos construi-se até hoje sobre elas? Como a mídia, o cinema, as revistas vêm construindo suas identidades? Continuam elas tendo focados seus valores estéticos e sendo visualizadas como objetos de desejo?

Uma atividade interessante poderia partir da análise de personagens femininos mostrados através dos meios de comunicação. Que imagem de mulher vem sendo reforçada? São estas imagens legítimas e naturais, ou frutos de uma cultura masculinizada e preconceituosa?

Esses temas precisam estar imersos no codiano da sala de aula. Não faz sentido um dia pra se "comemorar" o dia da mulher e para que estas discussões venham à tona. É necessário conduzir os alunos à um olhar mais crítico, capaz de desnaturalisar essa construção histórica que criou a mulher como um ser objetificado, consumido, exótico.

Essas "datas comemorativas" aparentemente inocentes, condensam, em sua estrutura relações de colonialismo e poder, adquirindo significados e representações muitas vezes incorretas que com o passar do tempo vão sendo cristalizadas no imaginário das pessoas produzindo efeitos danosos. Descolonizar o currículo é também torna-lo relevante à essa nova geração e aos diferentes arranjos sociais que se apresentam.

É preciso identificar com urgência, como define Tomaz Tadeu da Silva, estes alienígenas na sala de aula. E mais. Tornar suas vozes presentes. Transformar o currículo em um espaço de legitimação das diversas culturas e de desnaturalização de conceitos e ideias que falseiam ou ocultam a realidade e é no interior das salas de aula que ocorrem processos de reflexão, democratização, participação, rupturas, desmistificação ou num outro extremo: reprodução, alienação, subordinação, silenciamento, opressão, submissão, marginalidade.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Tecnologia favorecendo a acessibilidade

imagem minha na webcam, jogando basqueteJogos controlados com o corpo, sem mouse ou controle remoto. Consoles cada vez mais modernos capazes de detectar movimentos em três dimensões...E mais uma tecnologia favorecendo a acessibilidade da pessoa com deficiência.

Pessoas com movimentos comprometidos e dificuldade de coordenação motora fina, podem valer-se dessa tecnologia para realizar atividades com maior nível de interação com a máquina. Embora existam recursos como mouses e teclados adaptados, o custo elevado acaba impossibilitado o acesso a um número significativo de pessoas com estas deficiências, sendo ainda, que tais recursos precisam ser projetados para atender diversas especificidades.

No caso da tecnologia que utiliza sensores que captam movimentos, qualquer movimento que esteja na área de abrangência pode ser identificada na execução dos comandos. Pessoas que possuem comprometimento dos membros superiores, por exemplo, podem utilizar a cabeça ou os ombros como comandos. Se têm dificuldadade para segurar ou clicar com o mouse - tecnologia essa pouco acessível - através de movimentos que dispensam precisão, poderão interagir de forma eficiente, realizando de forma simples, tarefas antes complexas.

Crianças com autismo também podem se beneficiar dessa tecnologia, uma vez que a quantidade de estímulos pode atrapalhar o nível de concentração. É comum, quando em frente a um computador, que crianças com essa síndrome dispersem o foco: tocam ou se perdem olhando para os periféricos: mouse, teclado, monitor, demonstrando dificuldade em executar funções diversas ao mesmo tempo, mantendo o nível de concentração à tarefa. O uso do próprio corpo como comando pode facilitar esse processo.

No caso do computador essa tecnologia é possível através de uma câmera que, acoplada capta os movimentos. Quer saber como funciona? Você pode testar aqui

domingo, 18 de outubro de 2009

Inclusive - Inclusão e Cidadania

A convite do Lucio Carvalho, estarei colaborando com a Inclusive, um projeto autônomo e voluntário criado para promover a inclusão das pessoas com deficiência através da difusão da informação discutindo, entre outros, tópicos como inclusão e temas transversais aos direitos humanos. Estarei assumindo a coluna Educação em Rede com opiniões, dicas e achados na Web. Dar visibilidade à sites, blogs e projetos na área também está entre os objetivos da coluna.

Mais sobre a Inclusive:

A Inclusive é um projeto autônomo e voluntário criado para promover a inclusão das pessoas com deficiência através da difusão da informação. Foi ao ar em março de 2008 por iniciativa da Patricia Almeida, jornalista e coordenadora estratégica do Instituto MetaSocialLink abrirá em uma nova janela ou aba.. Em setembro de 2008 o Lucio Carvalho juntou-se aos colaboradores e, em julho de 2009, a Camilla Sartorato chegou para unir-se e compor a coordenação geral do projeto.

Nossos objetivos estão focados na promoção da inclusão social por meio da produção e veiculação de conteúdos informativos, principalmente sobre educação e direitos humanos relacionados a segmentos sociais vulneráveis – em especial às pessoas com deficiência.

Com isso, pretendemos sensibilizar e conscientizar órgãos governamentais, veículos de comunicação, assessorias de imprensa, organizações da sociedade civil, formadores de opinião e a população em geral quanto aos direitos, serviços e informações relativas a esses segmentos sociais.

Temos a intenção de colaborar para a promoção dos direitos humanos e, em especial, da “Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência” da Organização das Nações Unidas (ONU) e da legislação sobre os direitos das pessoas com deficiência em direção a um público cada vez maior e heterogêneo.

Além de contar com uma produção própria, a Inclusive recebe informações para divulgação em seu site e para seus usuários cadastrados. Os interessados podem enviar sugestões de notícias e outras colaborações para o e-mail inclusive@inclusive.org.br informando seu nome e a fonte da notícia.

Temáticas mais recorrentes

Inclusão social, com foco nas pessoas com deficiência;

  • Educação inclusiva;
  • Educação em direitos humanos;
  • Promoção da diversidade;
  • Legislação;
  • Experiências inclusivas bem-sucedidas;
  • Acompanhamento de programas públicos e privados de interesse social;
  • Denúncias de violações dos direitos (em especial de pessoas com deficiência);
  • Campanhas e mobilizações por direitos;
  • Cursos e eventos.
  • A Inclusive é formada por profissionais da área de comunicação e outros interessados em inclusão que trabalham voluntariamente.

    Praticamos o chamado jornalismo cidadão. Dentro desse espírito, a Inclusive mantém-se aberta à colaboração e parceria com outras instituições, tais como universidades, órgãos de imprensa, organizaçãos não-governamentais e, também, com pessoas individualmente.

    quinta-feira, 15 de outubro de 2009

    Sobre Jequitibás e eucaliptos, ou sobre Adélias e Valdetes

    Foto: Sirius

    "Um professor é aquele que se faz
    progressivamente desnecessário."
    (Thomas Carruthers )

    Há eucaliptos e há jequitibás...Rubem Alves assim definiu professores e educadores, nessa mesma ordem. Eucaliptos, aquelas árvores sem vergonha que crescem depressa e podem ser substituídas com rapidez e sem problemas. Jequitibas, árvores seculares que possuem uma face, uma identidade, uma estória.
    Lendo-o, mergulhei numa esfera de tempo que já vai longe... Pelos idos de 1980 e poucos. Lembrei de dona Adélia e de dona Valdete, professoras que me acompanharam na 1ª e 2ª série respectivamente.
    Dona Valdete ensinava sorrindo. Dona Adélia só ensinava.
    Ambas deixaram marcas. As deixadas por dona Adélia ficaram como hematomas que não mais doem, mas permanecem. As de dona Valdete, como rabiscos de tinta guache, coloridos de sonhos, hoje suavisadas pelos dias que escorrem vorazes, mas ainda nitidamente visíveis nos papeis ja amarelecidos. Seus ensinamentos tinham sabor doce. De sorvete com calda de ternura.
    Dona Adélia sabia dar aulas. Dona Valdete sabia aprender, (re)aprender e (des)aprender todos os dias.
    Dona Adélia era uma funcionária do Estado; dona Valdete, artesã. E como artesã, não permitia que sua identidade fosse engolida por sua função. Sua identidade eram suas convicções, aquilo em que acreditava e que a trouxera até aquela escola, naquela sala, com aquelas crianças: eu e meus colegas, e onde podia se ler em negrito, Ofício: educadora.
    Dona Valdete não lecionava. Plantava tâmaras, e não se preocupava se a colheita demorasse a vir. As duas tinham um emprego. A diferença é que uma chamou-se, assim, de dentro, a outra fora chamada.
    Dona Adélia seguia os horários e cumpria rigorosamente as datas. Tudo pra ela funcionava com a rigidez de um oficial. Dona Valdete era livre e feliz.
    Dona Adélia seguia o conteúdo dos livros disciplinarmente. Dona Valdete escrevia poesia. Eu as declamava na igreja.
    Dona Adélia me ensinou a escrever; dona Valdete, o gosto pela escrita.
    Dona Adélia controlava com o olhar e proibia; dona Valdete com o sorriso e a explicação.
    Dona Valdete era uma Bela (des) Adormecida. Dona Adélia, não mais a vi. Talvez tenha sido acordada de seu sono letárgico. Ou não.

    Inspirado na crônica de Rubem Alves: Sobre jequitibás e eucaliptos

    segunda-feira, 5 de outubro de 2009

    Capacitação para Professores da Rede

    Aconteceu no último dia 21, a última etapa da capacitação de professores da rede regular de ensino do município de Curitibanos/SC que, tendo em vista a diversidade da clientela do contexto educacional e o conseqüente despreparo dos professores em contribuírem para o aprendizado das pessoas com deficiência objetivou auxiliá-los de forma a equiparar as oportunidades educacionais para todos através de uma sistemática de capacitação organizada em 5 módulos, sendo esta última uma oficina pedagógica.

    Dentre os temas trabalhados, foram desenvolvidas de forma prática, atividades utilizando mapas conceituais, através do software Inspiration como ferramenta auxiliar no desenvolvimento de processos mentais e na elaboração de conceitos e, ainda, através da criação de blogs, de forma que os alunos pudessem experienciar formas de aplicabilidade educativa dos recursos tecnológicos.

    sábado, 3 de outubro de 2009

    Sigur ros - Svefn-g-englar

    Num ambiente que mais parece cenário de algum sonho bom, pela mística, pela leveza dos movimentos, a música destes islandeses é para se ouvir deitado na cama ouvindo a própria respiração. O nome da banda significa "rosa da vitória", e pronuncia-se "si ur rous". É melhor não tentar pronunciar o nome da música, "Svefn-g-englar"; cantarolar também será complicado. É música para se apreciar apenas, ouvir, ouvir, sentir...

    O clip é feito com a participação de uma companhia de teatro composta por atores com Síndrome de Down. Dica do meu amigo José Roig.


    segunda-feira, 28 de setembro de 2009

    Assim como você, ele também é dEficiente

    Mais um vídeo bacana sobre conscientização: uma nova campanha em comemoração aos 27 anos da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência). Esse vídeo eu encontrei num blog que eu adoro e indico. Se ser *dEficiente é normal (ainda bem né) pra esse cara aqui é mais normal ainda. Eu falo do Jairo Marques do "Assim como Você"
    Vale a visita.
    *Essa expressão dEficiente (escrita assim com E maiúsculo) eu vi no blog da Regina Heidrich,
    e dispensa maiores explicações né.
    Mas se você quiser saber mais, passa lá. Eu plagiei, mas é por uma causa nobre :-)


    sexta-feira, 18 de setembro de 2009

    Campanha pela Inclusão

    Filme criado pela Propeg para a Secretaria de Comunicação Social (Secom) e Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), para promover a inclusão da pessoa com deficiência na sociedade. Criada com base na música Condição do Lulu Santos.

    sexta-feira, 11 de setembro de 2009

    Promovendo acessibilidade ao computador

    Recebemos no dia de ontem as primeiras adaptações para o laboratório da nossa escola. Essas tecnologias visam possibilitar a interação, no computador à alunos com diferentes níveis de comprometimento, de modo que consigam enviar e receber informações de forma mais autônoma possível.
    Acionadores de pressão, teclado com colméia e mouses adaptados foram as aquisições realizadas através da empresa Clik Tecnologia Assistiva que disponibiliza várias adaptações de hardware e de software.
    Alunos com autismo, paralisia cerebral e deficiências motoras serão beneficiados, e, dessa forma cumprimos um dos nossos grandes desafios: garantir à todos, e principalmente aos alunos, cujos padrões não seguem os quadros típicos de desenvolvimento, possibilidades de acesso, interação e aprendizagem.

    segunda-feira, 24 de agosto de 2009

    Conteúdos Educacionais Microsoft - Programa de Acessibilidade

    O Programa de Acessibilidade disponível na página Conteúdos Educacionais da Microsoft tem por objetivo capacitar professores para o uso das TICs e da Tecnologia Assistiva no cotidiano escolar e para a personalização das ferramentas de facilidade de acesso dos sistemas operacionais Windows e seus aplicativos, visando a construção da autonomia e inclusão de alunos com deficiência – seja ela física, visual, auditiva ou de desenvolvimento.

    Para poder orientar o uso do computador e de outras tecnologias aos alunos com deficiência é importante que os professores tenham conhecimento das possibilidades de acessibilidade e saibam personalizá-lo de acordo com os tipos ou graus de deficiência de seus alunos.

    Na página é possível fazer o download de uma apostila sobre acessibilidade e de material sobre Tecnologia Assistiva nas Escolas.

    Um material muito útil aos educadores que buscam a inclusão de todos os seus alunos ao mundo digital.

    terça-feira, 18 de agosto de 2009

    Prêmio Educadores Inovadores

    Promovido pela Microsoft o Prêmio Educadores Inovadores 2009 entra em sua fase final. Nove semifinalistas foram selecionados pelos Comitês de Seleção e, além de concorrerem nas categorias escolhidas no momento da inscrição (Inovação em Colaboração, Inovação em Comunidade e Inovação em Conteúdo), eles também participam da votação online na categoria Educador Inovador.

    Destaco aqui, na categoria Inovação em Conteúdo o trabalho da amiga Bernadete Mother
    A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EM AMBIENTE DIGITAL

    Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza

    Caxias do Sul - RS

    O trabalho desenvolve a metodologia de Projetos de Aprendizagem e sua publicação em ambientes virtuais. A educadora interage com as alunas do curso normal e com crianças das séries iniciais para construir e aplicar todo o conhecimento construído, refletindo sobre práticas pedagógicas e incentivando o uso dos aplicativos e das tecnologias digitais.

    Parabéns à amiga Bernadete. Mérito reconhecido à um trabalho realmente inovador.

    quarta-feira, 12 de agosto de 2009

    Cor de pele


    Ache outros vídeos como este em Escola de Redes

    Ess e vídeo me faz lembrar da história do menino negro que chega em casa da escola e diz à mãe:
    _ Mãe, eu quero ser cor de pele.
    A mãe indaga:
    _Cor de pele filho, como assim?
    É mãe, da cor do lápis!

    Lápis cor de pele é cor de pele de quem?????

    domingo, 19 de julho de 2009

    O preconceito nosso de cada dia...

    "Época triste a nossa... mais fácil quebrar um átomo do que o preconceito."
    Albert Einstein

    Sabe quando falam em preconceito implícito, camuflado, entranhado??? Pois bem, meus caros, está aí um exemplo disso.
    De acordo com o Fabio Adiron, existem três categorias de preconceito (no seu texto ele se refere aos termos utilizados) Alguns são explicitamente ofensivos e preconceituosos, muitos são anacrônicos e desatualizados e um terceiro grupo se encaixaria na categoria que é a dos aparentemente corretos que trazem embutido no seu significado uma série de preconceitos e mitos.
    Concordo com ele quando diz que esse último é o pior, porque é feito de uma uma forma tão sutil que nem sempre é perceptível. As expressões são sempre eufemísticas, ou podem, como nesse caso, "parecerem" politicamente corretos. (A referida imagem foi extraída de um blog sobre Educação Especial)
    Ora! Uma campanha a favor da pessoa com deficiência física que desrespeita a pessoa com deficiência mental??? Que espécie de conscientização é essa?
    Uma fala que implicitamente reforça preconceito e estereótipos negativos nada tem de humorística. Tem sim, de preconceito cristalizado, preconceito este, que é a pior das deficiências.

    sábado, 18 de julho de 2009

    Glogster - ferramenta para criação de posters virtuais

    O Glogster é uma ferramenta que reúne elementos gráficos, fotos, vídeos, música e texto.
    E para quem ainda não conseguiu visualizar uma funcionalidade educacional para essa ferramenta já existe o Glogster Edu .

    O que é o Glogster EDU?
    • Uma plataforma baseada na tecnologia Web 2.0 que permite juntar fotos, vídeos, texto, áudio e muito mais em um único poster online interativo.
    • Uma inovadora e criativa solução digital para educadores para ajudar a manter os alunos ENGAJADOS e tornar o aprendizado mais divertido!
    • Uma interface fácil desenvolvida para apresentar conceitos básicos para seus alunos.
    • Uma série de mecanismos para trabalho em grupo para permitir a seus alunos publicar e compartilhar suas criações e colaborar com outros usuários em esforços coordenados.
    • Uma sala de aula virtual segura, confiável, privativa e monitorada por professores.
    • Uma valiosa ferramenta de aprendizado que pode ser usada em vários temas, incluindo matemática, ciências, história, tecnologia, arte, fotografia, música e muito mais.
    • Uma ferramenta para incentivar as habilidades de seus alunos e o progresso ao longo dos anos.
    • Uma plataforma virtual, digital e educacional que transcende idade, sexo, curriculum, assunto, escolaridade, tipo de escola, lugar, etc.

    Eu fiz a minha experiência com a ferramenta.
    A primeira impressão? Divertidíssima.
    (Clique nas fotos para ampliar e no player para ouvir a música.)

    quarta-feira, 8 de julho de 2009

    Somos todos cyborgs?

    A dúvida é minha. A afirmação de ANDY CLARK, filósofo, autor do livro Supersizing the mind (Aumentando a mente, sem tradução no Brasil) e professor da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

    Clark diz ser um cyborg na medida em que todos os seres humanos são. De acordo com sua teoria, nascemos com a capacidade de criar dispositivos para guardar informações e para processá-las fora do cérebro. Por isso, a mente de cada pessoa estaria espalhada pelos cadernos, arquivos de computador e aparelhos de celular usados no dia a dia. “A mente extrapola nosso corpo. Está difusa pelo mundo”

    Entrevistado pela Revista Época, Clark afirma: "Nós já somos um pouco cyborgs. Não aqueles de ficção científica, que são feitos de uma mistura de tecido biológico com sistemas computacionais de última geração. Não temos fios e microchips em nosso corpo nem nosso cérebro funciona como um computador. Somos cyborgs por natureza no sentido de que temos uma simbiose com a tecnologia, uma interação muito estreita com dispositivos que inventamos para facilitar nossa vida. Da mesma maneira como você pode incorporar a seu corpo uma estrutura para funcionar como parte dele – é o que acontece quando você se torna muito bom em usar uma raquete de tênis, por exemplo –, podemos usar dispositivos que aumentem nossa capacidade mental. Nós criamos sistemas para que o cérebro tenha o menor trabalho possível."

    Acesse a matéria completa

    Isso tudo me faz pensar que os limites entre humano e tecnológico parecem estar cada vez mais amálgamos. Em tempos em que se fala em inteligência articifial e tecnologia suficiente para fazer máquinas desenvolverem sentimentos, não é possível prever limites para os avanços tecnológicos.

    Bom, ruim? A tecnologia permitiu ao homem passar das lascas de pedra aos objetos polidos; das ferramentas à mecanização e da mecanização à microeletrônica. Parecem avanços naturais.

    Se teremos no fututro, tecnologias implantadas no nosso corpo, isso pode ser assustador ou fascinante. O que parece obvio é que as tecnologias deveriam servir para facilitar a nossa vida e ajudar-nos a resolver nossos problemas. Não o contrário.

    Essa conclusão me remete à uma conversa com meu marido falando sobre pragas de lavoura. Dizia ele que há algum tempo atrás gastava-se muito menos para produzir. Eram necessários poucos "banhos" (uso de inseticidas, herbicidas, fungicidas). Hoje, algumas das empresas que fabricam esses pesticidas são as mesmas que detém o controle de produção e distribuição de sementes e que através de biotecnologia produzem sementes já "doentes". Ou seja, a tecnologia utilizada para resolver os problemas ( leia-se, financeiros) de alguns. Tecnologias que reforçam relações de poder e formas de capitalismo cristalizadas.


    segunda-feira, 22 de junho de 2009

    Enquanto isso no país dos normais

    (Sem tempo para escrever, reproduzo alguns rabiscos)

    Todo dia ele cumpre o mesmo ritual. Chega, dá uma volta no pátio sem nunca mudar a direção. Não se apressa, nem altera o semblante. Ele não se encaixa em nenhum padrão de normalidade, mas é feliz. Vive num mundo que é só seu e no qual imagino que nunca poderei adentrar, muito menos entender.

    Aos olhos de alguns ele vive enclausurado em seus próprios pensamentos, os meus ousam ver nele uma pessoa mais livre do que muitos.

    A mãe passou a vida a perambular pelas ruas mendigando esmolas e algumas carícias dos bêbados que descançavam nas praças da cidade.

    Ele, viveu o infortúnio de ser mais um abandonado a viver de migalhas, até ser acolhido e ter uma vida decente, embora já fosse tarde, tarde demais para ousarem fazer dele uma pessoa "normal".

    Mas é feliz. Ele não se preocupa se a roupa que veste está na moda, se os cabelos brancos denunciam sua idade, se seu comportamento vai ser aprovado, se vão achá-lo um tolo feliz, um pobre coitado, se vão rir do seu jeito de dançar, se vão achar estranho que fale dele pra ele mesmo... Ele não entenderia por que nessa sociedade tão organizada e normal nem sempre se pode ser autêntico.

    Ele não segue fórmulas prontas de comportamento. Pra falar a verdade ele nem as conhece. Inventou um jeito próprio de viver e vive num eterno processo de desnormalização como se no mundo só existisse uma forma de ser: a sua. Talvez ele prefira não ser mais um, genérico, normal ou normótico. De cara limpa, desfez-se das máscaras e encontrou a fórmula para uma vida saudável e feliz.

    Enquanto isso no país dos normais, seres humanos inteligentes, livres e iguais assistem a belíssimos espetáculos teatrais! Bem vindo ao país do "faz de conta."

    Faz de conta que eu sou como você, que gosto de festas e de glamour, que eu tenho dinheiro pra manter as aparências, faz de conta que eu me mantenho firme nas minhas verdades e fiel às minhas convicções mesmo quando minhas idéias não estão de acordo com as do chefe da minha empresa, faz de conta que a minha boca fala exatamente o que meu coração sente, faz de conta que sou sempre equilibrado, que nunca perco o controle, que eu não uso máscaras exceto nos bailes à fantasia. Faz de conta que...

    Faz de conta que eu sou feliz assim.

    sábado, 16 de maio de 2009

    Mundo Adaptado

    Exerciciozinho básico de alteridade



    [Vídeo: You Tube, artigo e textodescrição: Cris Santos, disponível no Bengala Legal
    Anúncio: Companhia de Eletricidade da França.]

    Textodescrição: Cena 1.

    Começamos vendo uma rua movimentada com uma mulher de pé, perdida como uma "barata tonta", sem saber para onde ir direito. Em volta dela, muitas pessoas na calçada passam direto pelos seus lados sem lhe dar atenção. Ela parece querer pedir algum auxílio, mas mal percebem sua presença. Todas essas pessoas, ao contrário da primeira mulher, são cadeirantes.


    Cena 2:

    Vemos um estabelecimento (parece uma repartição pública) com quatro postos de atendimento. Em um dos postos, um cadeirante é atendido, enquanto outro aguarda sua vez. No outro posto, uma mulher se aproxima e pede uma informação (em francês). O atendente então responde usando a língua de sinais e ela dá uma leve risada, meio sem graça, por não entender nada.


    Cena 3:

    Dia chuvoso. Em uma rampa inclinada sobem e descem cadeirantes normalmente, enquanto uma pessoa de pé desce escorregando, totalmente sem equilíbrio e desajeitada, tentando não cair.


    Cena 4:

    Ainda em dia chuvoso, vemos uma pessoa usando um guarda-chuva, meio "arriada" para usar um telefone público que encontra-se em uma altura própria para cadeirantes. Ao seu lado, um cadeirante usa sem problemas outro telefone público, enquanto, do outro lado da rua, uma criança cadeirante aponta para a pessoa arriada.


    Cena 5:

    Vemos em close um sinal luminoso de pedestres, que tem como símbolo de "ande" o ícone de um cadeirante simulando movimento, na cor verde, e como símbolo de "pare" o ícone de um cadeirante parado, na cor vermelha. Sobre esse sinal luminoso vemos um pequeno alto-falante. O sinal "abre" para a travessia de pedestres e o close é tirado dele. Vemos então dois cadeirantes atravessando a rua, conversando animadamente debaixo da chuva.


    Cena 6:

    No interior de uma biblioteca, onde todos os livros têm capas iguais, um rapaz de óculos (com ar de intelectual) desvia de uma menina cega que anda entre as estantes sem maiores problemas, com a ajuda de sua bengala. O rapaz pega um dos livros e o folheia sem entender, como se estivesse procurando algum texto ou imagem, mas o livro está impresso em Braille. O rapaz, então, senta próximo à janela, com o livro no colo e olha para o horizonte. Aparece na tela a frase: "O mundo é mais duro quando não está adaptado para você", enquanto a narradora fala: "De agora em diante, os espaços da EDF são acessíveis a todos". Essa última frase aparece junto à logomarca e o slogan da EDF: "Quando seu mundo se ilumina". A EDF é a empresa de distribuição de energia elétrica da França, chamada "Eletricidade da França".

    quinta-feira, 14 de maio de 2009

    Educa Tube

    banner ilustrativo do blog EducatubeO Educa Tube é um espaço que, segundo o editor José Roig, visa divulgar vídeos e material diverso que possa ser utilizados por educadores no meio escolar, bem como divulgar a produção de educadores e alunos.

    As informações disponíveis na rede são tantas que por vezes acabamos não encontrando o material de que necessitamos. Achei bacana a ideia de estar reunindo vídeos com caráter educacional, os quais poderão ser utilizados pelos educadores dentro de suas respectivas disciplinas. José Roig, como parceiro exibidor do Porta Curtas Petrobras também vem disponibilizando os vídeos desse acervo, com material riquíssimo para se trabalhar.

    Vale conferir.

    sábado, 9 de maio de 2009

    Oração aos moços (de hoje)

    Trechos de Oração aos Moços - Obra de Rui Barbosa, escrita em 1920.

    “Não há no universo duas coisas iguais. Muitas se parecem umas com as outras; mas todas entre si se diversificam. Os ramos de uma só árvore, as folhas da mesma planta, os traços da polpa de um dedo humano, as gotas do mesmo fluído, os argueiros do mesmo pó, as raias do espectro de um raio solar ou estelar. Tudo assim, desde os astros do céu, até os micróbios no sangue; desde as nebulosas nos espaços, até os aljôfares do rodo da relva dos prados...

    ..Se o supremo criador de todas as coisas, na sua imensa sabedoria, assim organizou a ordem da criação, e plasmou nas multifárias facetas de seres criados a suprema harmonia do universo na diversidade de formas, não era para com isso dar aos homens, coroa dessa criação, a grande lição da solidariedade e da convivência entre os diferentes? Se a ordem universal convive com as diferenças em harmonia, e cada corpo celeste em perfeita ordem com os demais, por quê não os Homens? ”

    quinta-feira, 23 de abril de 2009

    A escola forma gente para o futuro ou para passado? (Compilando Ideias)

    "Os limites da minha linguagem denotam os limites do meu mundo"...

    Não me recordo de quem é a frase nem onde li. Ela me veio enquanto pensava sobre o quão importantes são os conhecimentos gestados coletivamente. A propósito, acho que conhecimento só se produz coletivamente.

    É a linguagem que dá à todos nós, desde a mais tenra idade, a dimensão da nossa existência. Ela nos constitui tanto quanto nosso corpo físico. A experiência de estar em rede nos proporciona diariamente a oportunidade de estender os limites desse nosso mundo, que vai alargando, encompridando, conforme vivenciamos processos de interação e construção participativa do conhecimento. Tenho lido muita coisa boa nestes últimos dias, conhecimento que parte de nossos questionamentos, indagações, reflexões, contradições, enfim... de tudo aquilo que povoa nossas cabeças, nos inquieta e que nos constitui como ser humano e educador.

    A questão levantada pelo Robson Freire que dá o título à esse e ao post anterior, provocou e a mim continua provocando algumas sinapses. (voltando a falar em linguagem, comunicação... Neurônios também trocam ideias e são super conectados) :-)

    Bom, compilei aqui algumas ideias que meus colegas andaram tendo e que acompanhei pelo reader. Alguns falam por mim, alguns deixaram meus neurônios em polvorosa.

    Seguem:

    Crises enfrentadas de forma criativa, significam pontos de reorganização e melhoria. É preciso que os alunos reconheçam que a escola é um lugar essencial para a realização humana em toda sua complexidade.
    Um trabalho didático que leve em conta a cultura em que a escola se insere, o tipo de vida dos alunos, e a visão de mundo que eles possuem neste contexto.
    Trata-se de uma mudança de postura. De dentro para fora. Não basta repetir discursos. Pode-se começar amanhã, ao entrar em sala de aula e olhar no olho do aluno. Pode-se escolher apenas um. Talvez aquele que dê "mais trabalho". (Jenny)

    • Ruptura e Reinvenção da Escola - Política da Terra Arrasada. Repensar completamente a escola em outros termos. É o caminho, conceitualmente mais simples e ao mesmo tempo de implementação prática mais difícil! Requer dirigentes com aquilo roxo, vontade política e esforços sincronizados de professores, dirigentes e políticos, e o que é pior, é uma solução de médio e longo prazo. Pra uma ou duas gerações!
    • Reforma e Contra-Hegemonias Locais das Práticas Escolares - Quase sempre este é o caminho possível para quem não tem poder de decisão de políticas educacionais (eu e você que estamos no dia-a-dia da Escola). É complicado porque vivemos dentro de superestruturas rígidas e todo e qualquer movimento contra-hegemônico é doloroso e trabalhoso. Com muitos refluxos! (Sérgio Lima)

    • Será que devemos concluir que a Escola é, por essência, conservadora e resistente à mudança?
    • Devemos concluir que a tecnologia por si só não interfere nos hábitos humanos?
    • Devemos mudar as formas metodológicas de abordagem do problema?
    • Será que o problema é pertinente?
    • Será que há muito discurso e pouca ação?
    • Trabalhar por projetos seria uma solução viável?
    • Há um comodismo generalizado por parte dos docentes?
    • Não seria melhor derrubar tudo e começar do zero? (Robson Freire)

    Para muitos professores a solução está na urgente mudança no/do currículo escolar. Eu também cheguei a defender uma mudança de currículo como forma de reinventar o ensinar-aprender mas, numa sociedade globalizada, num mundo internacionalizado como o que vivemos, que currículo, por melhor que seja, vai atender suas necessidades? O currículo continua composto de fragmentos e fundamentado no classicismo cartesiano. Traz blocos de conteúdos considerados necessários à formação do cidadão, delimita as estratégias de ensino-aprendizagem, estipula o método e critérios de avaliação, e mesmo que o discurso diga que o currículo é flexível, o que a escola quer é uma agulha apontando sempre numa mesma direção, pois ninguém consegue seguir uma bússola desorientada. Em verdade, poucos sabem o que significa um currículo flexível.... Porque se for flexível demais o professor corre o risco de não saber o que fazer, o pessoal técnico pedagógico não saber que rumo tomar, o aluno não se sentir orientado etc. (Franz)

    O uso adequado das tecnologias e condições de interagir com as máquinas é, sem dúvida, essencial. Mas o nosso presente exige mais do que isso. O presente exige que essas cabeças pensantes, que pegam uma informação e a transformam em conhecimento, tenham uma nova postura diante da vida. A escola precisa, com urgência, introduzir uma cultura de sustentabilidade e da paz. O presente já exige que as pessoas sejam mais cooperativas e menos competitivas. O presente exige que a escola eduque para a vida sustentável, como explica Moacir Gadotti:

    Vida sustentável é o estilo de vida que harmoniza a ecologia humana e ambiental mediante tecnologias apropriadas, economias de cooperação e empenho individual. É um estilo de vida intencional, que se caracteriza pela responsabilidade pessoal, pelo serviço aos demais e por uma vida espiritual significativa. Um estilo de vida sustentável relaciona-se com a ética na gestão do meio ambiente e na economia, com vistas a satisfazer as necessidades de hoje em equilíbrio com as necessidades das futuras gerações. (Miriam Salles)



    É isso, queridos leitores. Se eu formo um sujeito pensante, independente do conteúdo específico adquirido na escola, ele, quando adulto, terá condições de buscar os conhecimentos que lhe são importantes, de forma crítica e reflexiva.
    Acredito que, independente dos assuntos discriminados em uma grade curricular, os professores hoje têm de se apropriar dos seus conteúdos específicos, interagir com as informações e conhecimentos que rondam a nossa sociedade e levar para a sala de aula todo tipo de questão que promova a reflexão sobre o mundo em que vivemos. (Tati)

    terça-feira, 21 de abril de 2009

    A escola forma gente para o futuro ou para passado?

    Idealizada pelo Robson Freire, editor do blog Caldeirão de idéias esta blogagem coletiva propõe refletir sobre a questão "A escola forma gente pro futuro ou pro passado?

    Penso que uma pergunta é essencial para responder à essa questão: Pra que serve o conhecimento produzido pela escola?

    Várias poderiam ser as respostas, mas penso que duas basicamente, possam demonstrar a dicotomia existente entre educar para o passado ou educar para o futuro.

    O conhecimento produzido pela escola é um pacote de informações que o sujeito precisa para passar de ano, no vestibular, conseguir uma vaga em um concurso público e preparar-se pra concorrência brutal presente nas sociedades modernas.

    Se esta é a era da informação talvez esse professor estivesse à beira de perder seu espaço. Ou seja, ele foi muito útil quando detinha o controle de boa parte das informações. Hoje esse controle não mais faz sentido, uma vez que está em todo lugar. Se antes já não não fazia, ainda menos, agora.

    Ou...

    O conhecimento produzido pela escola capacita o indivíduo para viver em sociedade - seja no campo ou na metrópole - respeitar as diferenças, dominar saberes teóricos, técnicos, humanos, ser crítico, criativo, autônomo, flexível, tolerante e utilizar-se desse conhecimento visando seu aprimoramento, o progresso e o bem estar das pessoas.

    Educar nesse sentido, significa desenvolver no indivíduo competências que não sejam necessariamente competências vinculadas à perspectiva de mercado que domina hoje toda a sociedade. Mas que seja capaz de produzir um esforço coordenado entre competências, informações e novos saberes e onde o trabalho coletivo, solidário e ético possa mudar os rumos do planeta. Nessa mesma linha, a escola deve valorizar o conhecimento cotidiano, pois este conhecimento provoca rupturas na escola. Não devem ser conhecimentos marginais e turísticos, mas centrais dentro do currículo.

    Mudanças que não são simples e que dispendem esforço concentrado de vários segmentos da sociedade, por isso tão difíceis devido à burocratização do ensino. Começar. Ser o pássaro que leva gotas de água no bico para apagar o incêndio talvez seja, ainda, a opção mais consciente.

    segunda-feira, 20 de abril de 2009

    Escolas e leitos de Procusto

    A inclusão de alunos com deficiência às classes regulares, com poucas exceções é ainda uma experiência bastante difícil. No entanto, essa dificuldade não reside apenas na deficiência, mas também e principalmente no fato de a escola se configurar como uma estrutura altamente rígida. A escola não foi projetada para a diferença. A dificuldade maior nao está, portanto, no aluno e sim no projeto de educação que desenhou uma escola para os iguais. Na base desta rigidez, está a ideia errada de que todos partem das mesmas condições e que todos têm a oportunidade de chegar ao mesmo ponto se seguirem pelo mesmo caminho.

    Na mitologia grega há um mito conhecido como Leito de Procusto, que relata o seguinte:

    Procusto era um salteador de estradas. Na altura do caminho em que ele se instalava, julgava quem poderia fazer a travessia. Para realizar o julgamento, Procusto dispunha de um leito, no qual ordenava que ali se deitasse todo aquele que desejasse cruzar a estrada. Se porventura, o indivíduo não coubesse na medida exata da cama, sem titubear, ele esticava o pretendente ou cortava-lhe as pernas para que tivesse, então, o tamanho ideal. Triste era a sorte daquele que não coubesse no leito de Procusto. A mutilação ou o suplício, era o seu castigo. Não haveria perdão, nem desculpas. A lei posta que estava, não dava chances a ninguém.

    Vivenciar a diferença não é uma experiência aceitável para nossa cultura. Assim como Procusto possuía seu leito implacável, desta forma possuímos também, um senso de julgamento que, não raras vezes, mutila, senão fisicamente, mas psicologicamente, aquele que se atreve a fugir dos padrões estabelecidos


    É provável que o insucesso de muitos alunos, resulte do fato de a escola lhes oferecer uma cama única e lhes cortar o corpo e a alma à maneira de Procusto. E isto não deve recair apenas sobre a figura do professor, pois é resultado da força de relações diversas que ali se estabelecem.


    Possibilitar à todos, meios de acesso e permanência com qualidade às instituições de ensino é o grande desafio que se configura, e isso requer da escola abandonar verdades cristalizadas e abrir-se à novos paradigmas educacionais, em mudar, rever conceitos, em desaprender, antes mesmo de ensinar... Pra que a escola não tenha o mesmo triste fim de Procusto.

    quarta-feira, 15 de abril de 2009

    QUANDO O DOUTORADO É DISPENSÁVEL

    Hoje o tempo não me permite mais que isto: Um post do Marcos Meier de quem sou fã, [só não pedi autógrafo ainda porque não faço exatamente o perfil tiete] :-) e infelizmente seu livro que deveria vir autografado, acabou não vindo. Super recomendado, o livro Mediação da Aprendizagem escrito em parceria com a Sandra Garcia.

    O post:

    **QUANDO SE TEM DOUTORADO

    O dissacarídeo de fórmula C12H22O11, obtido através da fervura e da evaporação de H2O do líquido resultante da prensagem do caule da gramínea Saccharus officinarum, (Linneu, 1758) isento de qualquer outro tipo de processamento suplementar que elimine suas impurezas, quando apresentado sob a forma geométrica de sólidos de reduzidas dimensões e restas retilíneas, configurando pirâmides truncadas de base oblonga e pequena altura, uma vez submetido a um toque no órgão do paladar de quem se disponha a um teste organoléptico, impressiona favoravelmente as papilas gustativas, sugerindo impressão sensorial equivalente provocada pelo mesmo dissacarídeo em estado bruto, que ocorre no líquido nutritivo da alta viscosidade, produzindo nos órgãos especiais existentes na Apis mellifera.(Linneu, 1758) No entanto, é possível comprovar experimentalmente que esse dissacarídeo, no estado físico-químico descrito e apresentado sob aquela forma geométrica, apresenta considerável resistência a modificar apreciavelmente suas dimensões quando submetido a tensões mecânicas de compressão ao longo do seu eixo em conseqüência da pequena capacidade de deformação que lhe é peculiar.

    **QUANDO SE TEM MESTRADO

    A sacarose extraída da cana de açúcar, que ainda não tenha passado pelo processo de purificação e refino, apresentando- se sob a forma de pequenos sólidos tronco-piramidais de base retangular, impressiona agradavelmente o paladar, lembrando a sensação provocada pela mesma sacarose produzida pelas abelhas em um peculiar líquido espesso e nutritivo.. Entretanto, não altera suas dimensões lineares ou suas proporções quando submetida a uma tensão axial em
    conseqüência da aplicação de compressões equivalentes e opostas.

    **QUANDO SE TEM GRADUAÇÃO

    O açúcar, quando ainda não submetido à refinação e, apresentando- se em blocos sólidos de pequenas dimensões e forma tronco-piramidal, tem sabor deleitável da secreção alimentar das abelhas; todavia não muda suas proporções quando sujeito à compressão.

    **QUANDO SE TEM ENSINO MÉDIO

    Açúcar não refinado, sob a forma de pequenos blocos, tem o sabor agradável do mel, porém não muda de forma quando pressionado.

    **QUANDO SE TEM ENSINO FUNDAMENTAL

    Açúcar mascavo em tijolinhos tem o sabor adocicado, mas não é macio ou flexível.

    **QUANDO NÃO SE TEM ESTUDO

    Rapadura é doce, mas não é mole, não!*

    [Quando o conhecimento afasta as pessoas, prefiro ficar na rapadura]

    quinta-feira, 9 de abril de 2009

    A Escola Mata a Criatividade?

    A professora Suzana Gutierrez postou no seu blog dois vídeos de Ken Robinson, com o tema: A Escola Mata a Criatividade?





    A primeira idéia que me vem à cabeça é que sim. Apesar de apregoar o contrário e de ter este ítem tão belamente exposto em seus objetivos educacionais, a escola está muito mais para estimular a reprodução do que a criação.

    Que o ser humano é dotado de uma capacidade criativa e inventiva fantástica, isso é inegável. Capacidade esta que com o passar do tempo acaba sucumbindo diante do pouco estímulo ou do treinamento que condiciona mentes e inibe o poder criador.

    O que denominamos nas crianças de mania de inventar moda nada mais é do que um arsenal de idéias criativas colocadas em prática diariamente.

    Mas essa criança precisa ir pra escola. Lá existem regras, um planejamento a ser seguido e conteúdos a serem trabalhados. Ah! E não é permitido inventar muita moda! Lá, antes de serem crianças, estes serzinhos são alunos (sem luz) portanto precisam aprender e apreender muitas coisas que ainda não sabem. Precisam entender conceitos, colar bolinhas de papel, pintar máscaras de coelhinho da páscoa e obedecer as regras. Em algumas destas escolas, elas não aprendem quando ficam curiosas, porque as curiosidades são divididas em períodos e não importa se quando a professora for ensinar elas não estejam mais interessadas ou já tenham aprendido aquilo sozinhas.

    Quanto mais crescem mais elas param de inventar moda. Não porque elas não gostem. Elas ainda gostam muito, mas deixam de lado porque entendem que precisam aprender as coisas importantes que se aprende nas escolas. A aula de artes e educação física são as que elas mais gostam porque nessas aulas elas ainda podem inventar moda.

    Entendem também que os professores que ensinam as coisas mais importantes são rigorosos. Mas são muito inteligentes, mais até do que os professores de educação física e artes, então elas se dão conta que não dá para ser alguém na vida fazendo arte ou inventando moda, que para conseguirem isso, precisam estudar muito e aprender muitas curiosidades. Embora elas já não tenham muitas, o professor tem e vai ensiná-las e quando perguntar, devem repetir exatamente da forma que o professor (iluminado) falou. Elas aprendem muito rápido que não é bom pensar diferente do professor, e que basta pensar igual para tirar uma boa nota na prova. Então elas desaprendem a ter idéias.

    Alguns alunos não aprendem as coisas importantes, mas eles são muito bons em fazer arte. Aí eles ficam fazendo arte na mesma série, porque quem gosta de inventar moda e não aprende as coisas importantes não pode passar de ano. As vezes, os alunos que demoram a aprender as coisas importantes vão para outra escola onde lá se faz muita arte e as coisas importantes são ensinadas de um jeito diferente.

    As crianças adoram estas escolas porque lá elas se sentem tão importantes quanto os colegas que aprendem coisas importantes muito rapidamente nas outras escolas, lá elas aprendem que todas as coisas são importantes e elas não sentem-se diferentes, porque lá, todos são diferentes.

    Algumas das escolas que ensinam coisas importantes estão aprendendo a trabalhar com os alunos que gostam de inventar moda e com aqueles que precisam aprender coisas importantes de outras formas.

    E nessas escolas está acontecendo uma coisa muito interessante. As crianças que aprendem coisas importantes muito rapidamente estão ajudando as outras a aprenderem também, estas, por sua vez estão ensinando uma coisa tão importante quanto as coisas importantes que elas já sabiam, estão mostrando que as pessoas não são todas iguais como elas pensavam. E que coisas importantes não são só as coisas que enchem suas cabeças.

    segunda-feira, 6 de abril de 2009

    Porta Curtas Petrobras

    Dica rápida:

    Estive visitando o Porta Curtas Petrobras. O sítio traz um projeto exclusivo para educadores, o Curtas na Escola
    . A idéia é incentivar o uso de curta metragens brasileiros como material de apoio em sala de aula.

    Pedagogos especializados dão sugestões sobre como utilizar os filmes para disciplinas específicas, que temas transversais abordar, para que idades e níveis de ensino os curtas são indicados e muito mais.

    O Planeta Educação traz também algumas indicações e downloads de curtas que o professor pode utilizar-se em sala de aula.

    Vale conferir.

    domingo, 8 de março de 2009

    Pelo Fim do Dia da Mulher

    Ainda comemoramos o Dia Internacional da Mulher. Ainda existem dias para lembrar das minorias silenciadas que, à exemplo de outros tantos, servem para reforçar uma condição de inferioridade cristalizada no imaginário das pessoas.
    Quem sabe daqui há alguns anos ninguém precise mais escrever sobre isso. E que bom seria, se ninguém mais precisasse"comemorar" esse dia. Bom seria, se isso fosse uma coisa natural a ponto de que não mais precisássemos falar ou bradar conquistas. Que falar sobre os direitos da mulher fosse coisa desnecessária, ultrapassada, incoerente... Que as mulheres não mais recebessem flores ou homenagens. Ou que então recebessem, mas que fosse uma homenagem sem gênero, pelo Dia Internacional da Pessoa.

    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

    Softwares e deficiência intelectual

    Luciano, paralisado cerebral, utilizando o computador (Esse é o Lu - que tem uma alma linda, talento, inteligência e paralisia cerebral.)

    Vez ou outra recebo pedidos de indicação de softwares específicos para serem utilizados com pessoas com deficiência intelectual.

    Minha experiência no trabalho com estas pessoas me fez entender porque isso não existe.

    Quando falamos em deficiência, muitas vezes nos apoiamos em reducionismos ou generalizações, sendo comum a idéia equivocada de que entre pessoas com deficiência intelectual existe uma universalidade de características comuns à todos, como se todo autista ou síndrome de Down, por exemplo, fosse exatamente igual à todos em condição semelhante, negando-se a substancialidade destes sujeitos.

    Não temos todos especificidades? Não somos todos diferentes uns dos outros?
    Desenvolver um software para pessoas com Síndrome de Down, por exemplo, seria o mesmo que um médico indicar exatamente o mesmo tratamento à todos os seus pacientes diabéticos.

    O trabalho com as tecnologias em sala de sala aula me fez ver que criar um software específico para uma determinada deficiência (não me refiro aqui aos softwares de acessibilidade) além de não ser possível não é necessário.

    Pessoas com ou sem deficiência intelectual utilizam-se exatamente das mesmas funções cognitivas para aprender. O que diferencia é que por algum motivo, alguma ou algumas dessas funções psicológicas superiores na pessoa com deficiência tem um funcionamento diferenciado, levando-o à uma aprendizagem mais lenta ou à uma limitação específica e consequentemente à necessidade de estímulos, recursos ou metodologias igualmente diferenciadas.

    E aí a rede é um espaço fértil em possibilidades. Atividades que desenvolvam o raciocínio, a capacidade de resolução de problemas, memória, percepção, intuição, lógica, atenção, espacialidade e temporalidade, capacidade de abstração e generalização, enfim...

    Aliados à uma intervenção de qualidade do professor, os softwares podem ser importantes instrumentos para a aprendizagem. Importante destacar que nenhum software é educativo por si só. Uma mesma ferramenta pode ser educativa ou não, dependendo de todas as variantes que se apresentarem: do contexto, do olhar do professor, do objetivo..

    O desafio que se mostra, portanto, não é criar ferramentas específicas de aprendizagem para pessoas com deficiência intelectual, que possam reafirmar a exclusão, é sim, buscar formas de aprender e aprender viver na diversidade.

    quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

    REM - Projeto Literário

    imagem de um olho com um relógio ao centro, representando um rápido movimento de olhar
    R.E.M. - Rapid Eye Movement ou Rápido Movimento do Olhar, é o projeto literário idealizado pelo amigo, escritor e educador José Antonio Klaes Roig de quem recebi o convite para uma parceria. José Antonio mantém também outros blogs dentre eles o Letra Viva e o Control Verso. O projeto tem por objetivo a escrita de breves poemas e minicontos, além de pensamentos passageiros sobre coisas duradouras da vida real e virtual. Neste espaço nos revazamos na escrita e optamos por um ilustrar o texto do outro.
    Esse trabalho me fez refletir sobre algumas práticas concebidas tradicionalmente pela escola como sendo formas mais eficientes de leitura e interpretação - a leitura de códigos e palavras em detrimento da leitura dos símbolos e imagens tão presentes no nosso cotidiano. A leitura não pode estar presa à compreensão de palavras e ao processo de alfabetização. Já nos alertava Paulo Freire que a leitura é bem mais que decodificar palavras: é ler o mundo.
    Os estudos comprovam que as imagens possuem a vantagem de serem melhor memorizadas e que seu uso tem dado grande avanço no processo de aprendizagem infantil.
    Se considerarmos o processo de aprendizagem de alunos com deficiência, a utilização de imagens como recursos auxiliares da escrita é fundamental. A dificuldade em interpretar e escrever de forma linear pode ser diminuída em função da utilização de imagens como apoio à função da memória.
    O ato de ilustrar um texto que não de própria autoria, pressupõe um exercício de alteridade literária, considerando a necessidade de colocar-se no lugar do outro que escreve e de reconhecimento próprio, através do outro. Entendendo melhor a composição e temática das imagens, podemos chegar ao nível de entender o processo de construção de sentidos expressados em imagens, no qual jogam a intencionalidade do autor e interpretação inicial do leitor.

    Vivencinado isso, destaco a importância de o professor utilizar-se de formas diversificadas e criativas de produção e interpretação de textos, explorar outras formas de leitura que não somente a dos códigos da escrita, estimulando a criatividade e o prazer em aprender.

    terça-feira, 27 de janeiro de 2009

    Alteridadade e Acessibilidade

    Os símbolos que compõem uma identidade social não são construções aleatórias, eles mantêm vínculos com a realidade concreta.
    Os conceitos e valores que construímos ao longo da vida dependem fundamentalmente das nossas percepções e do imáginário que construímos resultantes de nossas experiências sociais e coletivas.
    Nessa relação com o mundo externo e com a diversidade é que passamos a compreender e vivenciar o conceito de alteridade, imbricada na questão ética do reconhecimento do outro, no reconhecimento das diferenças e do diverso.
    A questão da acessibilidade depende pois, dessa capacidade de enxergar-se na pessoa do outro e isso só pode acontecer onde há interação, relação ou contato com grupos diferentes.

    Um relato pessoal

    Esta semana, através do grupo Educação Especial em Rede conheci a Rita, deficiente visual e sugeri à ela alguns textos deste site. Em resposta, ela diz que havia achado a fonte muito pequena e que isto havia dificultado sua leitura.
    Lembrei-me então de um recurso para alteração do tamanho da fonte que já havia indicado mas que se encontrava em local de difícil acesso em meio à outras postagens.
    Retornei o email com o pedido de desculpas e algumas considerações à respeito. Já fiz as alterações necessárias. A partir de agora a orientação para alteração do tamanho da fonte está em local visível (no topo da página).

    sábado, 24 de janeiro de 2009

    SketchUp - Ferramenta adquirida pela Google pode auxiliar pessoas com autismo

    Modelo do interior de uma casa criado com o programaRecebi via lista Educautismo uma notícia que achei muito interessante.
    Originalmente desenvolvido pela At Last Software(@last software), uma empresa estadunidense com sede em Boulder, Colorado a qual foi adquirida pela
    Google, o SketchUp é um software utilizado para a criação de modelos em 3D no computador.
    Fiquei curiosa e resolvi testar. Baixei o programa
    aqui e fiquei encantada com as possibilidades. É um programa bastante intuitivo e relativamente simples (tudo bem que eu não consegui fazer muita coisa, mas nada que tempo e um pouco de treino não resolvam). Mas as possibilidades de criação em três dimensões são fantásticas. É possível incluir detalhes, texturas, vidro nos modelos, tudo com total perfeição. Outra coisa que achei interessante é a possibilidade de interação com outros programas. É possível, por exemplo, modelar sua cidade para o Google Earth (agora complicou - coisa pra autista mesmo) :-)

    Mas, ainda mais interessante é a notícia:

    Segundo a revista Newsweek, o programa criado originalmente para arquitetos e designers tem ajudado autistas a desenvolverem habilidades que podem ser úteis caso eles entrem no mercado de trabalho.

    O programa permitiria que pessoas com autismo expressassem suas idéias de forma visual - um achado para crianças com problemas de comunicação pela fala ou escrita. A ajuda seria possível, pois grande parte dos autistas se sobressaem em pensamentos visuais. Segundo a revista, em avaliações de QI, pessoas com autismo tendem a ter índices elevados em testes de noções espaciais - pais de crianças com a doença teriam também habilidades espaciais acima da média.

    Assim, por terem dificuldades em comunicar-se com outras pessoas, os autistas acabam usando seu tempo interagindo com objetos, o que resulta em um desenvolvimento intenso da parte visual do cérebro - daí a paixão pelo SketchUp. Essa característica é tão intensa que os autistas seriam capazes de desenhar uma perfeita reprodução da cidade, depois de apenas uma breve caminhada pelas ruas. "Achei que fosse um desenhista profissional", teria dito Anja Kintsch, assistente em tecnologia da Boulder Valley School District, após ver uma criança desenhando.

    Pessoas com autismo tenderiam ainda a ser apaixonadas por computadores, uma vez que eles não exigirem o tão temido contato humano. A facilidade visual dos autistas teria encontrado uma afinidade tão grande com o software, que a Google, em parceira com instituições educacionais, criou o Project Spectrum. O projeto buscaria, de acordo com a Newsweek, inserir de forma gratuita o programa nas escolas especializadas dos Estados Unidos.

    quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

    Jogo - Aula

    Logo Jogo-Aula

    O Sérgio da lista Blogs Educativos deu a dica, acessei e vão aí as minhas primeiras impressões:

    Jogo-aula é um projeto desenvolvido em parceria com escolas, professores e pedagogos. As atividades (jogos) são desenvolvidas em módulos, sendo que cada um refere-se a uma área do conhecimento.

    É uma proposta bastante interessante, visto que reflete o olhar e a reflexão dos professores, acerca dos processos de aprendizagem e do desenvolvimento cognitivo da criança, fornecendo as bases para a concepção do material que posteriormente é disponibilizado.

    Desta maneira objetiva-se proporcionar:

    Aos professores: Uma ferramenta didática para auxiliar os seus alunos na descoberta, desenvolvimento e manipulação dos conceitos aplicados em sala de aula através de uma realidade modelada e dirigida, mas flexível o bastante para que possa haver o desenvolvimento do grupo e o individual.


    Ao aluno:
    A oportunidade de fazer suas escolhas, levantar hipóteses, testar, errar, desenvolver-se dentro de suas próprias possibilidades, contrando no seu grupo e no adulto os parceiros que o apóiam, sugerem e incentivam.
    [Fonte: http://jogoaula.blog.br//modules/mastop_publish/?tac=Proposta]

    Através de um cadastro o professor pode:
    - Enviar mensagens particulares à outros usuários do site

    - Participar das discussões do fórum
    - Receber as últimas notícias

    - Comentar os assuntos

    quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

    Campus Party

    Logo do Campus PartyConsiderado o maior evento de inovação tecnológica e entretenimento eletrônico em rede do mundo o Campus Party iniciou no último dia 19 e vai até dia 25/01. Li agora no Ciberespaço na Escola que a TV Cultura estará exibindo diariamente 12 horas de programação ao vivo na Internet estreando no evento.

    A Lilian, estará nos deixando informados com as notícias relacionadas às tecnologias digitais na educação no Blog do Educarede, que estará fazendo a cobertura do evento.

    Para quem se interessa pelo tema: Tecnologias para Acessibilidade e Reabilitação, duas atividades estão programadas para sexta, dia 23 e sábado, dia 24. Outra programação interessante será também no sábado com o tema Padrões Web, Acessibilidade e Mobilidade. (A agenda pode ser acessada no site com todas as programações)

    No domingo, dia 25 acontece também a Cerimônia de Entrega do Prêmio Best Blogs Brazil aos melhores blogs em 30 categorias eleitos pelo júri popular e pelos palestrantes do Campus Blog.
    Dois colegas do grupo Blogs Educativos estarão sendo premiados. Na categoria educação, a Miriam Salles e na categoria corporativo, o colega Robson Freire

    sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

    Mais uma vez Prêmio Dardos

    Memes vão e vêm. E fiquei contente, principalmente por ter sido indicada por pessoas por quem tenho grande admiração, apesar de conhecê-las apenas virtualmente, o Robson Freire, do Caldeirão de Idéias, a Bernardete, do Caminhos para Chegar, a Suzana Gutierrez e a Regina Heidrich do Inclusão utilizando as Tecnologias de Informação e Comunicação. É muito interessante percebermos laços de afinidade e amizade se formando na rede, e ter nosso espaço indicado à uma dessas brincadeiras reflete o carinho e o reconhecimento dos colegas blogueiros, mas também reforça nosso compromisso como educadores.
    Abaixo, a lista dos meus indicados, com o carinho pela amizade, reconhecimento pelo trabalho e algumas características que captei nesse tempo de convivência com o grupo. Cada um com sua marca e singularidade guarda o que tenho como minha filosofia de vida. Somos todos ESPECIAIS.
    Vocês são especiais.

    Este Blog é minha Rua, do Franz, o que gosta da boa e velha música.

    Caldeirão de Idéias, do Robson Freire, o apaixonado por cinema

    Gibiteca da Natania, a dos quadrinhos e vencedora do Prêmio Professores do Brasil

    Bloguinfo, da Sindy, a sumida

    Letra Viva, do Zé Roig, grande amigo e parceiro no R.E.M - Rapid Eye Movement

    Sentrinho da Ilza Medeiros. Na Ponta dos Dedos da Andrea de Carli. Inclusão utilizando as Tecnologias de Informação e Comunicação da Regina Heidrich, colegas de luta em favor da causa da pessoa com deficiência.

    Inclusao Ampla, Geral e Irrestrita, de um admirável xiita da inclusão.

    Na Dança das Palavras da Leonor Cordeiro, mais conhecida por simpatia.

    Quimilokos da química louca e querida, Thaisa

    Suzana Gutierrez, a pequena grande.

    Luis Dhein, sempre conectado e reflexivo.

    Caminhos para Chegar da competente Bernardete, vencedora do Prêmio Professores do Brasil.

    Bloguetando Educação do Fernandão ( sonhador como eu)